terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Notícias do GP Corpo & Experiência



Festival de dança Brasil move Berlim participação de André Masseno com a performance Outdoor Corpo Machine , comentada por Ana Chiara, dia 14 de abril.




Concursos:


Marcelo dos Santos:  aprovado em 2o. lugar no concurso de Provas e Títulos da UFOP: Teoria da Literatura/Literatura Brasileira





Defesas de Mestrado e Doutorado:


21/03/2011 às 10:30: Fabiana Bazilio Farias (mestrado)
FARIAS, Fabiana Bazilio. A nervura luminosa do Instante: o instante como performance literária na obra de João Gilberto Noll. Dissertação (Mestrado em Letras - Área de Concentração: Literatura Brasileira.) - Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.


A partir da leitura do livro Mínimos, Múltiplos e Comuns de João Gilberto Noll, este trabalho busca empreender um estudo sobre as relações entre a escrita do artista e tempo na figura dos “instantes ficcionais”, observando a questão do microrrelato e da exigência fragmentária (cf.P. Lacoue-Labarthe e Jean-Luc Nancy), na perspectiva do inacabado/unidade, o que projeta uma hipótese de conjunto constelar para a escrita de João Gilberto Noll.
Inicialmente realiza-se uma reflexão de alguns temas importantes na fortuna crítica sobre o escritor, com a intenção de saber como estes reverberam na sua escrita para, em seguida, tratar do fragmento e suas perspectivas estéticas de inacabamento e de totalidade, com relação ao tempo e como dessas questões surge a metáfora crítica do instante ficcional.
As leituras críticas usadas como operadores nortearam-se a partir das noções de fragmento (romântico), e de Acontecimento, relacionadas ao par conceitual Cronos/Aiôn deleuziano.



Palavras-chave: João Gilberto Noll- Literatura Brasileira - fragmento - instante – tempo.


28/03/2011 às 10 horas: André Luiz Masseno Viana (mestrado)

VIANA, André Luiz Masseno. Ele está presente: a obra de Silviano Santiago e as performances do artista perigoso. 2011. 137f. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

A presente dissertação tem como objetivo refletir sobre a imagem do artista na obra de Silviano Santiago, mais precisamente sobre a figura do narrador-escritor da novela Uma história de família (1992), em abordagem comparativa com outros artistas, cuja produção e aparecimento na mídia problematizaram as primeiras décadas do HIV/AIDS, tais como Cazuza e o artista visual Leonilson, que posavam midiaticamente como perigosos. Pretende-se apontar, na obra de Silviano Santiago, uma performance do artista (soropositivamente) perigoso, na qual a relação entre enfermidade, dor, prazer e labor literário é verificável. Outros artistas são estudados, tais como o escritor Jean-Claude Bernardet, a artista visual Teresa Margolles e o performer Ron Athey, assim como os já citados Cazuza e Leonilson. Partindo da tese de Doutorado e da dissertação de Mestrado de Marcelo Secron Bessa, este trabalho procura avançar com algumas questões que, para tanto, recorrem ao conceito de performatividade, em Judith Butler, à noção do corpo como um Outro radical, de Henri-Pierre Jeudy, e à análise da relação entre AIDS e a discursividade empreendida por Susan Sontag. Os textos críticos de Silviano Santiago também fundamentam o presente estudo, mais precisamente na análise daqueles da relação entre dor e prazer na criação literária e da noção de uma homossexualidade astuciosa em resposta às discursividades heteronormativas.



Palavras-chave: HIV/AIDS. Performance. Criação literária. Corpo. Silviano Santiago.

30/03/2011 às 11 horas: Calina Miwa Fujimura (doutorado)

FUJIMURA, Calina Miwa. Reis de paus: Carlos Heitor Cony e Rubem Fonseca. Brasil, 2011. 150 f. Tese (Doutorado em Literatura Comparada) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.


Este trabalho investiga o que chamamos crimes da literatura, no livro de Carlos Heitor Cony, Pilatos (1974), em perspectiva comparada com o livro de contos Secreções, excreções e desatinos (2001), de Rubem Fonseca. Cony, famoso autor e jornalista, com histórico de prisões políticas na época da ditadura, publicou Pilatos – obra de linguagem considerada pornográfica – ainda na vigência da censura. Rubem Fonseca, perseguido pelos censores desde Feliz ano novo (1975), devido às suas narrativas também consideradas contrárias à moral e aos bons costumes, publicou Secreções, excreções e desatinos livre de censura. Este estudo, a partir das análises dos textos referidos, questiona o que é o crime da literatura? E, se não há mais a conjunção de censura política e repressão moral, se está esgotado o embate entre argumentos moralistas e liberais, como podem ser lidos os novos códigos de controle desse imaginário?

O objetivo desta tese é, sobretudo, discutir a possibilidade da permanência ou não destes livros como transgressores em relação ao tratamento dado ao corpo no panorama contemporâneo. Para tanto, serão analisadas as diferentes formas de representação do corpo nesses livros, a partir de conceitos, como castração, pornografia e obscenidade, investigados em campos de estudo sobre as representações do corpo nas áreas de psicologia, sociologia e da crítica literária.




Palavras-chave: Carlos Heitor Cony. Rubem Fonseca. Castração. Crime. Pornografia. Obscenidade.

Artigos Relacionados

1 comentários:

La Rochefoucaud disse...

Corpo e Experiência é um site interessantíssimo, foi criado pelo meu professor Marcus Alexandre Motta, ele não vai admitir que é inteligente mas é, ele me tirou das trevas e voltou a me colocar nas trevas

16 de novembro de 2012 04:43

Postar um comentário